Sinjope não negocia desrespeito e alerta que profissionais não assinem intenção em desligamento do Diario de Pernambuco

postado em: Artigo, Notícias | 0

Único representante legal da categoria Jornalistas em Pernambuco, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Pernambuco (Sinjope) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) se pronunciam diante da divulgação interna pela empresa Diario de Pernambuco (DP) de informe da disponibilização de “documento contendo os detalhes da proposta de desligamento voluntário, conforme acordado em reunião, na última quarta-feira” (sic). O referido documento trata de um “processo de desligamento voluntário não incentivado” (sic) e supostos parcelamento e “prioridade no pagamento das verbas rescisórias” (sic), citando genericamente “corte a ser negociado com o sindicato” (sic).

O Sinjope e a Fenaj alertam:
1 – Na quinta-feira 22/3 foi realizada Assembleia Geral Extraordinária (AGE) com profissionais do DP para deliberar sobre proposta de regularização da empresa, que até este momento não foi entregue, como também não foi dado acesso a números que permitam avaliação da situação e de qualquer proposta, diferentemente do que, na última mediação realizada na Procuradoria Regional do Trabalho da 6ª Região do Ministério Público do Trabalho (PRT6/MPTb) se comprometeu a fazer o presidente da empresa, Alexandre Rands;
2 – Exatamente por isso, a AGE deliberou e o Sinjope encaminhou pedido de urgente agendamento de nova mediação para tratar da questão junto à Procuradoria Regional do Trabalho da 6ª Região do Ministério Público do Trabalho (PRT6/MPTb);
3 – O Sinjope jamais negociará quitação de direitos trabalhistas e previdenciários de modo diferenciado para quem deseje deixar a empresa ou sejam por ela desligada(o);
4 – O Sinjope e a Fenaj alertam, veementemente, como foi enfatizado na AGE, que ninguém deve assinar documento se referindo a intenção de deixar a empresa, e, ainda que deseje fazê-lo, deve submeter tal documento à assessoria jurídica do Sinjope ou a advogada(o) de sua confiança, pois isso envolve grave risco de perda de direitos;
5 – O Sinjope e a Fenaj continuam entendendo que a saída da crise do Diario de Pernambuco não se dará pura e simplesmente por novos e mais amplos desligamentos sem respeito e quitação de direitos trabalhistas e previdenciários, como ocorreu há um ano, com óbvio insucesso;
6 – Por isso mesmo, o Sinjope e a Fenaj conclamam o Diario de Pernambuco a sustar eventuais procedimentos de desligamentos imotivados de profissionais e se fazer presente, com os dados e documentos necessários, na próxima mediação na PRT6/MPTb;
7 – O Sinjope e a Fenaj entendem ser fundamental que a preservação do DP seja considerada de forma mais ampla do que um mero ajuste a receitas esquálidas diante de um passivo construído por ineficientes gestões há décadas, que produziram mais danos do que se tenta creditar a uma crise do meio impresso sem hábil enfrentamento. O Diario de Pernambuco merece muito mais.

O Sinjope e a Fenaj entendem que o Diario de Pernambuco é um patrimônio de todas(os) profissionais que pela empresa passaram e ajudaram a construir sua história. É um patrimônio da sociedade, do Recife, de Pernambuco, do Brasil e da América Latina, com o histórico de ser o mais antigo jornal em circulação, e que não pode sucumbir, sem tratamento cuidadoso e respeitoso com o veículo e com os profissionais que ainda fazem parte de sua história.

Diretorias do Sinjope e da Fenaj

Compartilhe

Deixe uma resposta